sexta-feira, 23 de março de 2012

A cor Púrpura

Oi pessoal

Já há alguns dias sem postar pois meu bebezinho tá dodói. OTITE!
Que já teve dor de ouvido sabe o quanto dói mesmo.
Ontem enquanto ele dormia ( passamos dois dias agoniados com febre e muuuuuuuuuuuuiiito choro) sentei para ver um filme.. que passa um milhão de vezes na HBO.

Mas sempre olho o release para ver como é.. mas tava tão cansada que não me detive em fazer isso, somente sentei e comecei a ver e não conseguia mais parar.
Bem vou dar uma resumida básica pois o filme tem quase 3 horas... É uma adaptação para o cinema de um livro de Alice Walker que conta 4 décadas da história de uma menina chamada Celie  que é abusada pelo pai e dois filhos com ele que foram vendidos a un casal de missionários Africanos.

Ela é dada um homem mais velho, víúvo chamado Albert que tem filhos tenebrosos e ela vive numa condição de escrava e mulher dele.
Essa história se passa no sul dos EUA e conta um pouco como era a vida do negro americano. Cheio de opressões, violência doméstica, abusos,( uma triste realidade, em muitos lares até o dia de hoje) mas tem coisas que me chamaram muito a atenção e que me deixei ser ministrada por aquele filme, olhando por uma ótica mais "introspectiva e espiritual".

A linda amizade com sua irmã Natie que mandava cartas que nunca chegaram nas mãos de Celie, onde Celie escrevia para irma e para Deus sem nunca postar uma carta sequer.A "coincidência" de Natie ir fugida para casa dos missionários que adotaram os filhos de Celie. Deus se encarrega desses cuidados que muitas vezes desprezamos..

Albert queria uma cantora de cabaré chamada Shug Avery, filha desviada do reverendo que mais tarde se torna grande amiga de Celie junto com sua cunhada gorduchona e destemida Sophia, casada com o filho mais velho desse homem...de nome Harpo.

Depois de muitos acontecimentos Celie consegue ler uma carta de sua irmã mais de 30 anos depois, que Shug pega num momento de descuido de Albert. Elas vasculham o quarto e encontram muitas outras cartas ( nesse pedaço do filme eu já morria de chorar, heheheh).

Celie toma coragem, enfenta seu marido Albert ( se é que dá pra chamar um monstro daqueles de marido) e vai embora com sua amiga Shug. Onde fica sabendo que seu pai na verdade não era pai, deixou-lhe uma casa e propriedades e ela tornou-se uma costureira famosa.

Desde o principio Celie sempre conversava com Deus, seus questionamentos, suas tristezas. Mas entre isto
chamou-me a atenção um diálogo de Celie e Shug num campo onde falavam sobre Deus e como talvez Ele se irritaria se não percebêssemos  a cor púrpura, falavam sobre o amor em suas distintas formas e Celie sentia saudades de cantar.. ( nem imaginam como  me identifiquei, pois amo ministrar, cantar, isso lava minha alma e posso adorar a Deus com o que sei  fazer, um pouco mas sei!)
No final Shug está cantando num lago e ouve de longe o coral da igreja que canta uma canção que repetia várias vezes “Lord, speak to me...” O reverendo diz, cantem pois Deus quer falar alguma coisa... Que lindo!! Ele sempre encontra uma maneira de chamar Seus filhos de volta ao lar...de onde quer que estejam...

De longe, Shug é chamada de volta ao lar e vem cantando a mesma canção que coral, implorando que Deus fale com ela.. Aleluias! Tô arrepiada aqui me lembrando dessa parte do filme. Ela volta ao lar abraça seu pai, o reverendo e diz: “os pecadores também tem alma”...
A igreja nesse meio já está vibrando e cantando e dançando como só os negros americanos sabem fazer com exímia perfeição...
Lembrei  de onde saí, de onde o Senhor me tirou, onde muitas vezes eu não queria sair pois estar no pecado é mais fácil ( aparentemente), e de onde estou e nunca mais quero sair...
Deus me fez lembrar do amor e do perdão Dele por mim e como eu também preciso lançar perdão sobre mim e deixar que Ele continue a boa obra (Flipenses 1:6).
Lembre-se disto...”os pecadores também tem alma”, liberte a sua do pecado, liberte quem você precisa liberar perdão, peça a Deus, fala Senhor, fala comigo....

Um forte abraço
Deus abençoe sua vida grandemente
Lisi Prestes



 A cor Purpura, 1985
Celie (Whoopi Goldberg)
"Albert" (Danny Glover)
Shug Avery (Margaret Avery)
 Nettie (Akosua Busia)
Harpo (Willard E. Pugh)
Sofia (Oprah Winfrey)



http://youtu.be/Gompeh7gMrA

Um comentário:

  1. Chorei vendo este filme!não consegui conter as minhas lágrimas, somente em Deus é que somos capazes de pedi perdão e perdoar, só Ele é capaz de curar tantas feridas em nossa vida assim como foi retratado neste filme.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...